09/11/2017 09h30 - Atualizado em 09/11/2017 09h30

4 problemas do iPhone X, o celular mais caro da história da Apple

Apesar do preço salgado, aparelho já é fenômeno de vendas no exterior; modelo mais simples custará R$ 7 mil no Brasil.

Por: Malaquias Batista
 
Primeiros clientes a comprarem iPhone X na Austrália comemoram em Sidney (Foto: David Gray/Reuters) Primeiros clientes a comprarem iPhone X na Austrália comemoram em Sidney (Foto: David Gray/Reuters)

iPhone X, o novo modelo de celular que a Apple colocou à venda por cerca de US$ 1 mil (R$ 3,2 mil) nos EUA, é o mais caro da história da empresa.

O site da Apple no Brasil ainda não informa a data da chegada ao país, mas já é possível saber o preço e escolher cor e modelo. O de 64GB custa R$ 7 mil e o de 256GB, R$ 7,8 mil. A empresa dá 10% de desconto se o smartphone for comprado à vista.

A pré-venda online começou em 27 de outubro em 55 países, e as unidades disponíveis acabaram em menos de 10 minutos. E, quando os aparelhos chegaram às lojas, longas filas se formaram ainda na madrugada.

O impacto no desempenho financeiro da empresa com sede na Califórnia foi imediato. As ações da Apple subiram 3%.

Mas, à medida que se explora os detalhes do iPhone X (que se pronuncia "dez", como o número em algarismo romano), tem sido possível encontrar alguns problemas.

A BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, listou quatro falhas no novo e mais caro smartphone da Apple.

1. Tela (in)completa

O iPhone X eliminou o botão "home", que ficava na parte inferior e era usado para iniciar o aparelho.

A ideia é dar mais protagonismo à tela, que conta com a tecnologia OLED (sigla em inglês de Organic Light-Emitting Diodes, ou diodo orgânico emissor de luz), descrita como uma das melhores da história dos smartphones.

Mas o aparelho não exibe uma tela de ponta a ponta. Há uma pequena barra onde está instalado o novo hardware de reconhecimento facial, que destrava o telefone para seu dono.

De acordo com alguns usuários, há um certo incômodo porque, ao navegar na internet, barras brancas aparecem sobre a tela e ocultam algumas propriedades das páginas visitadas.

"O iPhone X mostra as páginas da internet literalmente com barras brancas nos lados,", escreveu no Twitter o usuário Thomas Fuchs, referindo-se aos momentos em que a tela está na horizontal. Segundo ele, essas barras atrapalham o uso da barra de rolagem.

A postagem de Fuchs gerou centenas de comentários, entre elas a de que as tais barras não aparecem em todos os sites, além de dicas de como exibir páginas de ponta a ponta.

2. Ângulo de visão

A qualidade da tela OLED do novo telefone tem sido amplamente elogiada. No entanto, muitos usuários observaram que, quando olhavam a tela inclinando o aparelho para o lado, ela perdia completamente a qualidade de cores e nitidez.

A própria Apple admitiu que poderiam haver alguns inconvenientes, dependendo do ângulo de visão. "Se você olha a tela fora do ângulo frontal, pode perceber alterações de cores e matizes", escreveu o fabricante em um comunicado, anunciando que, apesar de serem características das telas OLED, está trabalhando para fazer algumas modificações.

3. Frágil

Embora seja o smartphone mais caro da Apple, o novo iPhone paradoxalmente também é mais o frágil. De acordo com a empresa SquareTrade, que mede a resistência de telefones a quedas, o novo modelo é "o mais frágil, difícil e caro de consertar na história da Apple".

A empresa, que oferece garantias para telefones, fez uma série de testes. Deixou o aparelho cair, por exemplo, de uma altura de 1,8 metro em diferentes ângulos.

A Apple, contudo, afirma que o iPhone X tem "um vidro de proteção mais durável de todos os smartphones". Mas os testes da SquareTrade apontam que as quedas produziram danos irreparáveis.

4. Sistema operacional preguiçoso

Usuários narram que o uso do novo aparelho é uma experiência "nova e diferente". "Vai marcar uma mudança em muitos aspectos", escreveu Rosa Jiménez Cano, jornalista do jornal espanhol El País.